Métodos do Ballet Clássico – Escolas e Técnicas de Ballet.

 

Os Métodos do Ballet Clássico desenvolvidos em alguns países do mundo foram se diferenciando ao longo dos anos, mas todos surgiram a partir do primeiro método de ballet clássico da história, o método francês. E como todo clássico, a essência da sua criação se mantém intacta.

Giuseppina Bozzacchi metodo de ballet frances
Giuseppina Bozzacchi como Swanhilda do Ballet Coppélia. Théâtre Impérial l’Opéra. Paris, 1870

Neste artigo vamos conhecer os 7 métodos de ballet clássico, entender algumas diferenças entre eles e saber porque é importante avaliar uma escola e/ou seus professores antes de começar a praticar ballet.

O que observar na hora de escolher uma Escola e um Método de ballet clássico para praticar?

escolher metodo e professor

 

O Ballet é uma arte muito antiga, mas que está em constante renovação. Desperta o interesse de muita gente, desejando praticá-la, pelos inúmeros benefícios que o ballet oferece, e poucos sabem que existem diferentes métodos para um mesmo fim: dançar ballet.

Atualmente, verificamos um “boom” de pessoas buscando esse conhecimento: crianças, adultos, até os idosos, uma vez que estão comprovadas as benesses à todas as idades.

Entretanto, existem algumas orientações que devem ser levadas em conta, quando alguém decide iniciar a prática do ballet, seja como hobby ou um estudo sério com a finalidade de profissionalização.

As primeiras perguntas que devemos nos fazer são:

  • Em qual Escola devo me matricular?
  • Existe um Método de Ballet Clássico no qual a Escola se baseia?
  • Qual Professor ou Professora devo escolher?

Alguns critérios importantes na escolha de uma escola de dança

1 – Estrutura Física

Basicamente, a primeira pergunta nos remete à estrutura física de uma escola de dança, que deve possuir alguns requisitos fundamentais:

  • Uma sala de aula ampla e sem móveis, aparelhada com barras fixas ou móveis, que serão usadas durante os exercícios.
  • Boa ventilação e iluminação.
  • Piso sem irregularidades, de preferência de madeira com certa flexibilidade, podendo ou não estar coberto por tiras de tapetes antiderrapantes, conhecidos por “linóleos”.
  • Grandes espelhos em uma ou mais paredes, que servem para que os alunos possam observar-se e corrigir suas posições e atitudes.
  • Sistema de som para a reprodução das músicas que serão utilizadas nas aulas. Algumas escolas ainda possuem piano e outros instrumentos musicais.

2 – Professores e Métodos de Ensino do Ballet Clássico

A segunda e terceira perguntas são de maior complexidade, pois um bom professor (a) que tenha conhecimento em algum método de ballet clássico é fundamental para que o aprendizado leve aos objetivos desejados.

Existem milhares de professores, mas na verdade poucos se distinguem na arte que ensinam. Assim, evite optar por um professor apenas porque a sua academia é “mais bonita” ou que é a mais próxima de sua casa.

Como identificar um ótimo professor (a) de ballet clássico?

professora de metodo russo de ballet
Professora americana Anette Thomas que utiliza Método Vaganova de Ballet Clássico

Então, quais são as qualificações de um professor experiente?

  •  Sua própria formação: as fontes de seu conhecimento.

Ele possui formação em alguma Escola ou Método de Ballet Clássico reconhecido?

A formação do professor ou professora, suas fontes de conhecimento, são oriundas de uma metodologia específica, ou mesmo de várias metodologias, uma vez que existem alguns poucos que se dedicaram a estudar mais de uma.

  • Sua reputação como professor.

Está sendo bem avaliado? Possui histórico positivo na formação de alunos?

  • Suas qualidades pessoais: deve ser meticuloso, paciente e bom disciplinador.

Consegue incentivar os alunos de maneira equilibrada com a exigência técnica do ballet clássico?

  • Sua capacidade tanto na execução prática quanto teórica.

Ele demonstra e explica claramente os exercícios?

  • A distinção atingida pelos seus alunos.

Seus alunos apresentam resultados? Crescem e se destacam de alguma forma?

O que são métodos de ballet clássico?

pernas de balle bem alinhadas

Métodos são processos para se atingir um determinado fim ou para se chegar ao conhecimento de algo.

Portanto, todas os assim chamados “métodos de ballet” têm como objetivo… a dança clássica tal qual ela é conhecida.

Nesse caso, por quê existem diversas metodologias, se todas têm o mesmo propósito?

Os métodos se diferem em alguns aspectos como a ordem dos passos de ballet, ou seja, quais serão ensinados primeiro, em que faixa etária e em que ordem os exercícios serão dispostos na barra e no centro.

Outro ponto importante de um método de ballet clássico é o aspecto cultural do país onde ele foi desenvolvido.

Os 7 Métodos do Ballet Clássico

Como já dissemos antes, o ballet é uma arte muito antiga, e através dos séculos, foram se desenvolvendo os conceitos e as técnicas, de tal forma que hoje chegamos a ter 7 metodologias diferentes, as quais são, por ordem cronológica:

1 – École Française (França)

2 – Royal Danish Ballet (August Bournonville, Dinamarca)

3 – Método Checchetti (Enrico Checchetti, Itália)

4 – Royal Academy of Dance (Inglaterra)

5 – Método Vaganova (Agrippina Vaganova, Rússia)

6 – Método Balanchine (George Balanchine, USA)

7 – Método Cubano de Ballet (Alicia e Fernando Alonso, Cuba).

Diferenças entre os Métodos de Ballet Clássico

As diferenças entre essas metodologias consistem em questões relativas à nomenclatura (nomes de passos e exercícios), ordem em que são ensinados, primazia de determinados estilos.

Também levam em conta os aspectos culturais, o tipo físico e as condições de ensino em cada país.

Por exemplo, a Escola Dinamarquesa se notabiliza pela agilidade e rapidez de seus bailarinos, enquanto a Escola Italiana se caracteriza pela força extrema dos saltos.

No Brasil, o ballet começou a ser conhecido apenas no início do século XX, com a vinda dos Ballets Russes de Diaghilev e a Companhia de Anna Pavlova, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Nossos bailarinos e mestres, desde então, tiveram sua formação fundamentada nos métodos Francês e Russo e só muito mais tarde, nos anos 70, foi introduzida a Escola Inglesa.

Em 1986, com o fim da ditadura militar brasileira, restabeleceu-se as relações diplomáticas com Cuba, e nesse mesmo ano tivemos a visita do Ballet Nacional de Cuba, com seu estilo peculiar, que causou grande entusiasmo entre os amantes do ballet no Brasil.

Temos então que os métodos mais conhecidos e aplicados em nosso meio são o Russo, o Inglês e o Cubano. Sendo assim, trataremos de dar algumas informações e explicar certas diferenças entre elas.

Método de Ballet da Escola Inglesa

bailarina inglesa
Margot Fonteyn

A Royal Academy of Dance (RAD) foi fundada por Ninette de Valois em 1920, reunindo os conhecimentos de diversas escolas, desde a Escola Francesa, passando por Checchetti e os grandes bailarinos russos que tiveram sua formação na Escola Italiana, como Tamara Karsawina. Produziu excelentes bailarinos, como Margot Fonteyn e Michael Somes.

bailarina antiga metodo royal
Tamara Karsawina

O método de ballet Inglês caracteriza-se pela sua estrutura em níveis, com exames realizados ao final de cada nível, por examinadores qualificados pela Academia.

O programa dos Graded Examinations consiste em 3 disciplinas de Dança Clássica: o Ballet Clássico, o Free Movement (Movimento Livre) e o Character (Estilização de ritmos e danças folclóricas).

Sua principal característica é o esmero na execução dos passos de Ballet.

Método de Ballet da Escola Russa

bailarina russo
Rudolf Nureyev

Fundada pela bailarina Agrippina Vaganova, sua metodologia encontra-se no livro “Fundamentos do Ballet Clássico”, publicado em 1934, e é adotada no mundo inteiro. Vaganova é considerada uma das mais importantes mestras da história do Ballet;

Entre seus alunos destacavam-se, por exemplo, Semyonova, Ulanova, Dudinskaya, e outros.

Seu sistema é uma incomum síntese harmoniosa das mais importantes escolas e estilos individuais do mundo inteiro, incluindo o sistema de Checchetti e a técnica de Preobrajenska, a qual ela analisou meticulosamente.

Graças ao seu sistema de ensino, o Ballet Russo foi capaz de desenvolver sua excepcional virtuosidade.

Grandes estrelas do Ballet, como Vladimir Vassiliev, Maya Plissetskaya, Rudolf Nureyev, são exemplos marcantes.

Na metodologia russa podemos observar a ênfase no trabalho de equilíbrio como fundamento.

O desenvolvimento do equilíbrio tem início desde o primeiro ano, nos exercícios da barra, quando o aluno começa a entender a distribuição do peso do corpo sobre uma ou ambas pernas.

Outro trabalho excepcional é o dos braços e mãos, aliados aos movimentos suaves dos ombros (chamados épaulement) e às posições da cabeça, criando uma figura estética agradável.

bailarina russa
Ana Pavlova

Método de Ballet da Escola Cubana

bailarina cubana
Alicia Alonso

Alicia Alonso criou em 1950 a Escuela Nacional de Ballet Alicia Alonso.

Desde o início, sua linha artística partiu do respeito à tradição romântica e clássica, estimulando ao mesmo tempo o trabalho de coreógrafos criativos.

Alicia, seu esposo Fernando e o irmão deste, Alberto Alonso, eram bailarinos proeminentes em várias companhias na Europa e Estados Unidos.

Com o triunfo da revolução cubana, em 1959, foram convidados a fundar o Ballet Nacional de Cuba, hoje uma das mais importantes companhias do mundo.

Fernando Alonso, falecido em 2013, foi um dos maiores pedagogos de ballet, criador da metodologia da Escola Cubana e formador de incontáveis gerações de bailarinos.

Josefina Mendez, Rolando Salgado, Mirta Plá, Lazaro Carreño, Jorge Esquivel, e mais recentemente, Carlos Acosta são figuras expressivas oriundas da Escola Cubana.

É a metodologia mais nova e também a mais arrojada. Bailarinos cubanos são conhecidos por sua agilidade e força física.

O método de ballet cubano foi criado reunindo (mais uma vez) o melhor das metodologias anteriores ao espírito e físico latino-americanos, numa combinação perfeita de adequação às condições físicas, à musicalidade e à expressão artística latinas.

As aulas do método de ballet clássico cubano são vibrantes e bastante focadas nos saltos e giros.

desenhos com as posicoes de bracos metodologia cubana
Posições de braços na metodologia cubana de ballet clássico.

Conclusão

Um aspecto importante, comum à todas as metodologias, é que todas usam o mesmo idioma, o francês, não importando em quais países foram criadas. É um tributo à L’Acadêmie Royale de Danse, fundada em 1661 por Luís XIV em Paris.

A escolha de um método de ballet clássico torna-se relevante quando se deseja seguir em frente com os estudos, pois cada uma tem seu próprio processo de desenvolvimento.

Assim, é aconselhável permanecer bons anos num mesmo método de ballet clássico ( todos têm oito anos de duração) antes de passar para outro, para que não haja uma “quebra” na evolução da técnica.

Outro problema que pode surgir é a discrepância na nomenclatura: além de alguns nomes serem diferentes, vários passos com o mesmo nome são executados de maneira diferente nas diversas metodologias, o que pode causar alguma confusão.

Como exemplo, citamos as posições de Arabesque, que nas Escolas Russa e Cubana possuem quatro posições, e na Escola Inglesa apenas três. As posições dos braços também têm diferentes denominações nas três metodologias.

posicao arabesque de ballet ingles
Arabesques Método de Ballet Inglês
posicao de ballet metodologia cubana e russa
Arabesques nos Métodos Russo e Cubano

Para quem deseja ir mais fundo, estudar é uma boa forma de crescimento dentro da técnica clássica, além de ser um prazer para quem é apaixonado por esta arte, não é mesmo?

Esperamos que tenha gostado do artigo! Deixe o seu comentário, queremos saber o que achou 😉

E volte sempre!

A autora convidada, Marly Zavar, que possui 40 anos de experiência em ballet clássico, foi pioneira ao implementar dois métodos diferentes em sua escola em São Paulo, o Royal e o Cubano. Como metodóloga e estudiosa, também chegou aplicar outros métodos como o Vaganova com objetivos de aprendizado e aperfeiçoamento de seus alunos. Além disso, foi a primeira professora brasileira a estudar o método cubano em Cuba, 1987 e a trazê-lo para o Brasil.

 

7 comentários em “Métodos do Ballet Clássico – Escolas e Técnicas de Ballet.”

  1. Ótima explanação! Concisa e esclarecedora. Nesse momento em que vemos a procura pelo ballet em crescente movimento, muito útil para auxiliar pessoas interessadas que tem dificuldades para achar um caminho… Parabéns!!!!

  2. Muito bom texto, explica com muita clareza as diferenças e nuances que existe em cada metodologia. Parabéns Marly, pela pesquisa e estudo!!!

  3. Achei muito bom o texto , muito claro e de fácil compreensão , é maravilhoso seu trabalho e de como escreveu e separou cada metodologia .

    • Olá Kleyton, ficamos muito gratos com seu comentário 🙂
      Se precisar de outras informações, é só entrar em contato!
      Volte sempre!

Deixe um comentário

WhatsApp chat