Compartilhe

 

10 Motivos Para Fazer Aulas de Dança

A dança é a arte mais fundamental do que significa a expressão direta através do movimento e da expressão corporal. Como tal, é uma forma poderosa de terapia, mas só no século XXI foram elaboradas terapias artísticas criativas como uma forma de medicina complementar para as doenças mentais e físicas.

Desde a década de 1950, foram realizadas pesquisas descritivas e experimentais para medir os benefícios da dança para a saúde.

Tradicionalmente, a dança tem estado ligada às artes cênicas e não é considerada uma medida de promoção da saúde.

Ao longo dos séculos, a natureza curativa da dança e da música tem sido reconhecida informalmente como uma habilidade para restaurar “tudo”, mas até há pouco não era reconhecida oficialmente.

Apesar do crescente reconhecimento da importância da dança no cuidado da saúde, raramente se a compara com o exercício. Dançar pode ser tão vantajoso como correr, andar de bicicleta, nadar ou correr na esteira.

A dança é uma forma equilibrada de exercício físico porque é “divertido”, sobretudo, as vantagens dos exercícios de dança são mais flexibilidade, mais força e tensão muscular, mais resistência, equilíbrio e consciência espacial e uma sensação geral de bem-estar.

Veja agora 10 benefícios que vão te ajudar a entender que dançar não é apenas uma atividade para entretenimento ou simples prazer.

1 – Emagrece

Como qualquer outra atividade física, a dança traz gasto calórico. E gasto calórico trás o que? Perda de peso. Ou seja, dançar é ótimo para manter a forma.

O movimento contínuo da dança, dependendo da distância (número de passos medidos com um pedômetro), pode queimar de 200 a 500 calorias por hora de sessão.

Dependendo da intensidade do baile, você também pode obter ou melhorar a sua condição cardiovascular.

2 – Melhora a qualidade de vida

Sabe aquele dia estressante de trabalho?

Bom, ele vai embora depois de uma aulinha de dança. Além de ser calmante, ainda diminui a ansiedade.

A dança é uma experiência mental e física, o que aumenta o fornecimento de sangue ao cérebro, ele fornece um meio para liberar a expressão emocional, permite a criatividade e reduz o aspecto social do stress, a depressão e a solidão.

Parece que a redução do estresse ocorre porque o dançarino é agora uma espécie de bola de dança mágica, que expulsa o estresse e a tensão enquanto mergulha no momento da dança.

Let’s go Dance.

3 – Aumenta a flexibilidade

Parece até meio óbvio, mas a dança além de te deixar com o corpo mara, ela ainda aumenta a sua flexibilidade. É possível sentir o corpo todo alongado, com “mais espaço” entre as articulações e a recuperação da musculatura é muito mais rápida em todas as situações cotidianas.

4 – Aumento da capacidade sanguínea

Por se tratar de uma atividade aeróbica, a dança é capaz de aumentar a circulação sanguínea e também a respiratória. Com o aumento dos batimentos cardíacos o sangue e o sangue circulando mais rápido, há maior oxigenação em todo corpo, além de aumentar a distribuição de nutrientes entre as células.

5 – Fazer amizades

Ela também tem um componente socializador, em que as pessoas se reúnem para dançar e construir relacionamentos com outros dançarinos.

Pelas aulas serem em grupos, com elas vem as novas amizades. Ou seja, dançar é uma ótima maneira de interação social.

6 – Para qualquer idade

Não importa a idade, criança, adolescente, adultos e até mesmo idosos, a dança pode e deve ser praticada em qualquer período de vida. Mas não esqueça de ter a aprovação médica antes.

7 – Faz bem para alma

Sabe-se há muito tempo que o movimento produz uma descarga de endorfina que pode servir como base para melhorar o estado de ânimo.

Acima de tudo, mais do que qualquer benefício físico, a dança trás para sua vida uma coisa rara de encontrar em qualquer outro lugar. Quem começa a dançar, dificilmente vai parar.

8 – Melhora dores na coluna

Os movimentos laterais da maioria dos passos de dança ajudam a fortalecer os ossos que aguentam mais peso como o fêmur, a espinha e a fíbula.

Algumas formas de dança têm movimentos repetitivos, como movimentos rotacionais dos quadris, que podem fortalecer a parte baixa das costas, lubrificar as articulações e estimular os ligamentos, aumentando a tensão muscular e melhorando a postura, evitando assim problemas com a lombar.

9 – Trabalha o cérebro

A dança também ajuda o cérebro a criar novas conexões e a trabalhar mais rápido. Também aumenta a atividade temporal e pré-frontal do cérebro responsável pela expansão de memória, a multitarefa, o planejamento e a atenção.

Também é necessário lembrar os passos / coreografias e cooperar com um parceiro, fatores que desafiam e aumentam a saúde do cérebro.

10 – Previne doenças

De acordo com Verghese e seus colegas (2003), a dança está relacionada com a prevenção da doença de Alzheimer e outras formas de demência em idosos.

Durante seus 21 anos de pesquisa, descobriram que pessoas com 75 anos ou mais que se dedicavam a de ler, dançar, jogar jogos de tabuleiro e tocar um instrumento musical, tinham um risco 7% menor de demência.

Aqueles que participaram dessas atividades, pelo menos 11 vezes por mês, reduziram o risco de desenvolver demência em 63%. Verghese et al. (2003) atribuem isso ao fato de que dançar ao som de uma música ocupa a mente de forma total e positiva, reforçando conexões neurais fundamentais à saúde cerebral.

A música é também um elemento muito poderoso, juntos eles podem fazer mágica na mente e no corpo do praticante.

Saber de todos esses benefícios dá um sentido muito maior à prática, ou ainda, pode te motivar a buscar um local onde você possa se dedicar à algum estilo de dança, sabendo que isso irá lhe trazer mais saúde física, mental e emocional!

Caso você queira conhecer nosso programa personalizado de Ballet Fit para ser feito em casa, entre em contato, teremos o maior prazer em responder suas dúvidas.

Acredite na dança como fonte de terapia natural, ela pode fazer muito por você.

Agradecemos a sua leitura.

Gostou do artigo? Compartilhe, é muito importante para nós!

 

 

Fontes:

  • Verghese, J., Lipton, R. B., Katz, M. J., Hall, C. B., Derby, C. A., Kuslanisky, G., et al. (2003). Leisure activities and the risk of dementia in the elderly. New England Journal of Medicine, 348, 2508-2516.
  • U.S. Public Health Service. (1990). Healthy People 2000. National health promotion and disease prevention objectives. (DHHS Publication No [PHS] 91-50213.). Washington, DC: US Department of Health and Human Services, U.S. Government Printing office.
  • Patricia T. Alpert – is an associate professor, School of Nursing at the University of Nevada, Las Vegas. Her background and area of expertise is preventive care. Her area of research interest is sustainable alternative physical activity/exercise in healthy elder populations.

Deixe um comentário

Chame no WhatsApp
%d blogueiros gostam disto: